A verdade, essa intrometida
Marilena Braga

A política é uma ciência social. A mais extremada e menos estudada de todas. Os que a praticam – dentro da perspectiva de obter e conservar mandatos – não têm uma longínqua idéia dos princípios que a norteiam. E não se fala aqui de ética , mas de metodologia. É por isso que alguns seguram o poder por longos anos e só se desfazem dele quando enxergam que perderam as forças para lutar. Isto é, consentem que estão próximos da morte ou da sabedoria. A política é a vida assumida com todos os seus riscos. Não é para fracos ou avarentos. Estar no cenário político basta para os que se interessam pela ciência social como um meio, não um fim a ser alcançado. O fim é o poder. Esse é um dom genético. O poder não está no mandato de prazo estipulado nem na capacidade de barganhar privilégios. O poder está na atitude e na resistência.

Complicado? Exemplos estão por toda parte .O principal mandamento do bom político é dizer sempre a verdade. A grande maioria mente, por isso não tem consistência . Os que dizem a verdade sabem que ninguém resiste a ela. Vejam o senador Antonio Carlos Magalhães, da Bahia, e o deputado estadual Anibal Curi, do Paraná. Alguém pensaria em dizer que não sabe em que eles estão pensando? A verdade desarma. Foi assim que a ex-deputada Marta Suplicy chegou pertinho do governo de São Paulo . E foi assim que Paulo Maluf se afastou definitivamente dele. Se o presidente Fernando Henrique tivesse contado à população brasileira que o Brasil já tinha voltado à sua velha luta econômica, teria ganho a eleição do mesmo jeito e hoje teríamos um governo, não um equívoco.

Alguém resiste ao senador Roberto Requião quando ele , em sua fúria intempestiva, diz a verdade? E ao ministro Rafael Greca, com suas pompas e circunstâncias, loquaz e determinado? Vigiar a verdade é a missão do político. Dizer, nos assuntos importantes , o que o povo precisa ouvir . Não o que é conveniente a quem diz. A verdade absoluta é para os estadistas. Nenhum desses que citei é, ou será, uma lembrança verdadeira para a posteridade. São exemplos apenas de como a verdade mantém e de como a mentira faz desabar. Em todo o país o processo eleitoral já começou, para os cargos majoritários. Nem me refiro às eleições para prefeitos, no ano que vem. Essa é uma etapa menor do poder. Os governos estaduais e a presidência da República é que são o alvo atual. Uma meia verdade é uma mentira inteira , é bom que todos se lembrem disso.