Alimentação, uma forma de vida
Affonso Camargo


Todos os que escutaram meu último discurso notaram que procurei organizar o conhecimento sobre como viver mais e melhor, utilizando a didática dos três As, de Alimentação Correta, de Atividade Física, de Alegria de Viver. Hoje, vou falar sobre Alimentação Correta, e inicio trazendo à tona um fato indiscutível: o homem, se vivesse a média de vida dos outros animais, deveria chegar a sete vezes a sua idade adulta, ou seja, cento e quarenta anos.
Acontece que todos os animais na Natureza sabem exatamente o que necessitam para se alimentar. Somente nós, seres humanos, por temos perdido este instinto alimentar primordial e necessário, temos dúvidas sobre qual a alimentação mais apropriada para nossa espécie. Além disso, a partir da Revolução Industrial e do entendimento do alimento como produto comercial e não como uma necessidade natural, os fabricantes inventaram uma série de produtos “alimentícios” de laboratório, calcados em conservantes, acidulantes, aromatizantes e vários outros produtos químicos altamente questionáveis à saúde humana.
Mas, o assunto principal que quero abordar agora é a carne. Se fizermos uma análise comparada entre a anatomia humana e a dos animais carnívoros, aprenderemos muito sobre a Ciência da Nutrição. Nossas mãos, com quatro dedos comtrapondo-se ao polegar e unhas frágeis, ao contrário das garras de leões e tigres que vivem da caça, foram projetadas pela Natureza para apanhar frutos e vegetais.
Nossa arcada dentária é apropriada para mastigação de cereais, sendo nossos dentes caninos próprios para cortar frutas e rasgar hortaliças. Nossos intestinos, por serem bastante longos, são apropriados para alimentos que fermentam, enquanto os intestinos dos carnívoros são bem mais curtos, para que a carne, alimento que apodrece, possa ser rapidamente eliminada.
Como os animais herbívoros, nosso corpo transpira através de poros cutâneos, enquanto os animais carnívoros transpiram através da língua e não possuem poros cutâneos. Também nosso estômago possui uma concentração de ácido clorídrico vinte vezes menor do que a maioria dos animais carnívoros, já que não necessitamos de muita acidez para digerir vegetais.
Por isso, comparando o nosso corpo com o dos animais carnívoros, chegaremos à constatação de que não somos iguais. Na verdade, a carne que temos o hábito de comer diariamente é a proteína vegetal que passou pelo organismo de um frango, de uma ovelha, de um boi ou de um porco. E a proteína deste bife, convertida em grãos poderia alimentar mais de sete pessoas e tornar o alimento mais barato.
Dito tudo isso, e para finalizar, vou divulgar uma surpreendente pesquisa e dar um conselho. A pesquisa é a que foi feita com dois grupos de 65 anos de idade e está registrada no livro “Corpo sem Idade, Mente sem Fronteiras” do médico indiano Dr. Deepak Chopra. Um grupo submeteu-se a uma rigorosa dieta e outro a nenhuma dieta.
E agora, pasmem !
Num aompanhamento feito por quinze anos verificou-se que viveu mais o grupo que não fez nenhuma dieta, pois o grupo da dieta rigorosa tinha raiva da dieta que fazia, vivia estressado e morreu mais cedo. É claro que os que mais vivem são aqueles que mudam seus hábitos alimentares para melhor e ficam felizes com os resultados obtidos que, geralmente, são percebidos em muito curto prazo.
Por isso, como conselho quero dizer que a VIDA SAUDÁVEL baseia-se no prazer de viver, em um dia-a-dia livre de estresse, medo, nervosismo, ganância e ansiedade. O que sentimos é mais importante que aquilo que comemos, porém, uma alimentação correta associada a uma experiência diária de serenidade e equilíbrio é o segredo da verdadeira Saúde.


Affonso Camargo é deputado federal pelo PFL do Paraná, ex- senador e ex-ministro dos Transportes e das Comunicações.