Liberdade e o poder dos outros
Alberto Graf

A indústria da manipulação não podia ser mais eficiente. É incrível como o trabalhador em geral foi dominado pelo modus operandi do capital . Uma definição agressiva do trabalhador de hoje seria aquela em que cita o ser humano cada vez mais distante de seu conflito mais instigante: o porquê de sua existência. É intrigante como hoje depois de um dia de trabalho estafante, o trabalhador vai, finalmente, "relaxar". Eu escrevi relaxar? Sim, escrevi. Só que "relaxar", hoje em dia, é sinônimo de despreocupação com o trabalho e qualquer outro problema. Ora, como pode quem trabalha resolver seus problemas se, finalmente na hora em que tem a mente livre para procurar soluções, ela esquece os problemas?

Alguma coisa está errada. O ser humano está se voltando para a nulidade. A maioria das pessoas hoje trabalha em busca de dinheiro, não conhecimento. E esse será a chave do futuro. O conhecimento. O conhecimento do ser próprio, de tudo aquilo que o rodeia e de tudo aquilo que há de ser descoberto. O dinheiro não traz conhecimento. Traz somente uma situação cômoda, estagnada. Uma vez, em uma das aulas de Filosofia que tive , o assunto em discussão era justamente este. A alienação do trabalhador pela indústria. Ponto delicado. Como discutir ou discordar de uma forma de política adotada no mundo inteiro? Quem fizesse isso seria visto com maus olhos por todo e qualquer indivíduo que trabalha e sequer cogita que aquilo pode estar errado. Isso é a indústria da manipulação.

Como conseguiram dominar o mundo inteiro mostrando somente um lado da moeda? Simples. Mexendo com um dos sonhos mais antigos do homem. A liberdade. É quase embutida na mente humana a necessidade de liberdade. E, ao que parece, dinheiro dá liberdade. Mero engano. Dinheiro não traz liberdade. Traz poder. Aí há uma distorção da percepção humana. Poder não é liberdade. Poder é o elemento necessário para castrar a liberdade dos outros. Em uma sociedade tão competitiva como a atual, esse é o desejo de qualquer um que tenha sido criado neste planeta, salvo as várias excessões.
Seria uma grande e mentirosa reflexão este artigo se não houvessem excessões. Recorrer ao generalismo seria um engano. A indústria da manipulação conseguiu fazer com que o ser humano vivesse às custas dela, e fez também com que o homem trabalhasse para ganhar sua "liberdade", e em seus momentos livres, não se preocupasse com os motivos e modos de ação do seu cotidiano.

Alberto Graf , 16 anos, é estudante de Telecomunicações no Cefet ­ Centro Federal de Educação Tecnológica , do Paraná.