< Voltar para o jornal do dia

Edição de 13 de março de 1999. Criação e Edição: jornalista Marilena Braga




Álvaro e Rafael dividem a noite.

Dois dos declarados pretendentes ao Palácio Iguaçu, sede do governo do Paraná, estiveram ontem à noite (12 de março) movimentando seus seguidores. O senador Álvaro Dias, do PSDB, reassumiu a presidência do partido no Paraná, da qual se afastara há dois anos. Em um hotel no centro de Curitiba, com a presença de deputados e a linha de frente dos tucanos, retoma o comando do partido do Presidente da República no Paraná. Bem longe dalí, num restaurante em Santa Felicidade, o ministro do Turismo e Esporte, Rafael Greca (PFL), era homenageado com um jantar onde o cordão dos aduladores não tinha limites. O cenário dos dois é Brasilia. O palco dos votos, o Paraná. A falência dos estados não tira o apetite da futura disputa.





Futuro de Cassio depende de Lerner.

O governo Jaime Lerner não pode errar a mão na economia do estado. A segunda administração do governador do Paraná tem a responsabilidade de fazer seu sucessor. Se o saldo financeiro ao final de seu mandato for negativo, ou inexpressivo, terá de aceitar o candidato alheio.




Federalismo pra quê?




Se o Brasil é uma república federalista já era hora dos Estados-membros terem mais autonomia. Mas ao que parece no Brasil a experiência do federalismo não deu muito certo, porque "autonomia" os Estados-membros só têm no papel. Como quem controla o dinheiro é a União, que pode boicotar as políticas estaduais, por que não fazer do Brasil um Estado Unitário, só governo central e municípios ? Estaríamos enxugando nossas estruturas, economizando bilhões em pagamentos ao funcionalismo público e atuaríamos como qualquer empresa do setor privado que queira ser competitiva. Confira a opinião do advogado Alexandre Coelho de Souza sobre o assunto .