< Voltar para o jornal do dia
< capa da edição de 24 de março de 1999




Um Veríssimo sério; ou quase isso.
Paulo Polzonoff Jr.

Quase perco a chance de ler um bom livro por conta do preconceito. Acontece que sou bastante desconfiado quando a livros feitos por encomenda. Têm-se a impressão, nestes casos, de que não se está lendo mais nada que não o fruto de um contrato editorial. O que vai estar muito aquém de minhas expectativas quanto ao produto final de uma criação que se pretende a artística. Eis, porém, que me surge à frente O Clube dos Anjos, de Luís Fernando Veríssimo (Objetiva), talvez a exceção que confirma a regra. Esqueça tudo o que já leu de Luís Fernando Veríssimo. Este livro não contém o cotidiano absurdo da classe média, tampouco traz reflexões políticas ou sociais. Traz, isto sim, metafísica. Naquele estilo entre o deboche e a seriedade que é a marca de Veríssimo.

O livro, porém, é enxuto em suas piadas. A não ser, obviamente, que se leia o livro como uma grande anedota, uma grande mentira metafísica -- o que não deixa de ser uma possibilidade, em se tratando de Veríssimo. Na verdade isso não importa. Lendo O Clube dos Anjos como um livro sério ou como uma grande piada, é certo que se encontrará ali a mistura fina entre erudição, pseudo-erudição, história detetivesca e metaliteratura. O livro trata de um grupo de admiradores da fina gastronomia, o Clube do Picadinho, uma espécie de sociedade secreta de glutões, cujos membros começam a morrer em situações que ao leitor são claríssimas. Nisto o livro se assemelha ao Crônica de uma Morte Anunciada, do colombiano Gabriel García Márquez. Não há um culpado oculto; o que há é um porquê oculto.

Veríssimo faz da verdade explícita um mistério, e é aí que reside, sem trocadilho, o sabor do livro. O Clube dos Anjos faz parte da coleção Plenos Pecados, da editora Objetiva, uma espécie de remake do volume Pecados Capitais, editado anteriormente pela Civilização Brasileira, e que contou com a colaboração, entre outros, de Carlos Heitor Cony e Lygia Fagundes Telles. Os outros volumes da coleção Plenos Pecados, já lançados, são O Mal Secreto, de Zuenir Ventura, e Truco, Xadrez e outras Guerras, de José Roberto Torero.

Paulo Polzonoff Jr. é estudante de Jornalismo.